Novela - Marina! Capitulo 14 - Amor e Saudade

Novela - Marina! Capitulo 14

Escrito por Diana Polizzo | 1046
Novela - Marina! Capitulo 14

CAPÍTULO 14

Quando a imagem do webcam foi totalmente carregada, tive a oportunidade de ver uma das garotas mais lindas da minha vida. Marina não era como as outras. Marina era perfeita. Seus olhos, grandes e azuis, os lábios rosados, os cabelos, compridos, completavam a cena praticamente pitoresca. Permaneci por alguns minutos, estonteado, enquanto ela sorria pueril, para mim.
- Bruno?
- Bruno você está aí?
- Bruno, você está online?
Ela digitava milhares de frases, até que finalmente tornei a me orientar no tempo e no espaço.
- Oi...! Estou on!
- Está ocupado? Se quiser, podemos conversar amanhã...
- Não! – disse, rapidamente – Você é muito linda! Quero conversar com você até o dia amanhecer...rsrs
- rsrs =)
Ficamos alguns segundos sem teclar. Marina continuava olhando para mim, sorrindo. Fiquei hipnotizado:
- Você tem um sorriso lindo... Estou encantado com tanta beleza!
Ela não respondeu.
- E aí, o que você curte? – perguntei.
- Ah, geralmente eu saio pouco...
- Sério? Uma garota tão linda quanto você, escondida dentro de casa?
- Não gosto de festas...
Fiquei confuso. Não sabia o que propor para ela.
- Gosta de barzinhos, coisas desse tipo?
- Sim, gosto...
- Podemos marcar para ir qualquer dia desses!
Pensei na grande burrada que estava fazendo... Não tinha dinheiro para comprar uma bala e estava convidando uma garota para sair.
- Sim, seria muito legal...! E você, o que curte?
- Ah, eu gosto de... – parei de teclar. Poderia causar uma má impressão dizendo que gostava de ir à baladas...
- Você está desempregado, né? – ela perguntou.
- Como sabe que estou desempregado?
- Você me contou, não se lembra? Olha, já passei por isso e sei o quanto é difícil... E sei que o pior de tudo é ser pressionado pela família e tudo mais.... Mas a única coisa que eu te digo é: Tenha bastante equilíbrio, e não se sinta derrotado. Nada é impossível de ser conquistado!
Me assustei com o comentário de Marina. Meses e meses em busca de uma oportunidade e, pela primeira vez depois de toda essa batalha, ouço (leio) uma palavra de conforto. E de uma desconhecida! Será que estava teclando com um anjo enviado dos céus?
Passamos a madrugada inteira trocando mensagens. Ás cinco horas da madrugada, ela me avisou que precisava se arrumar para o trabalho.
- Bruno, eu preciso ir agora!
- Mas já... Tão cedo...rsrsrs
- Engraçadinho... rsrsrs! Desculpe, eu tenho que ir mesmo. Se não farei companhia à você na fila do desemprego...
- Até que não seria uma má ideia!

Comentários